CENTRAL NACIONAL DE VENDAS: 4020-3852 (disque a partir da sua cidade)
CENTRAL DE ATENDIMENTO AO CONVENIADO: 0800 024 1150

5 passos para superar a perda de um ente querido

Só quem já perdeu um ente querido sabe como é difícil passar pelo processo do luto. É uma fase que deve ser respeitada e entendida, sabendo que cada pessoa tem o seu próprio tempo para superar esta perda

de Amar Assist , 28 NOVEMBRO de 2018

Não existe um tempo predeterminado para superar o luto, isso depende muito de pessoa para pessoa.
Para a ciência, o luto é uma fase natural e não se trata de superar a morte de alguém em si ou até mesmo esquecer uma pessoa, o luto se resume em se adaptar a uma nova fase da vida a que somos submetidos contra a nossa vontade.

Apesar do luto ser mais relacionado a morte, para a ciência, ele está relacionado a qualquer situação que promova um forte desgosto emocional, podendo estar ligado também ao divórcio, a perda de um trabalho ou até mesmo a mudança de alguém que amamos.


Plano Funerário Familiar

Cuide bem de quem você ama.


Veja os 5 passos que te levarão a superar a perda de um ente querido.

1) Vivenciar a seu tempo as fases do luto

O primeiro passo pode ser talvez o mais longo, vivenciar as fases do luto ao seu tempo.
Para isso, vamos entender com mais detalhes essas fases.

Para a psicologia, o luto pode ser divido em 5 etapas, que são:
•    Negação
•    Raiva
•    Negociação
•    Depressão
•    Aceitação

Negação –

A negação ocorre de forma imediata, quando entramos no luto, temos dificuldades em aceitar que aquele fato ocorreu.

Nega-se a todo custo que tenha ocorrido a perda, seja ele de qualquer origem.

Casos em que o luto está relacionado a morte, é difícil acreditar que nunca mais veremos aquela pessoa, alguns chegam ao ponto de criarem um bloqueio intelectual, e se negam a acreditar que a vida poderá seguir sem a presença daquela pessoa.

Não hesite em pedir orientação de um especialista se julgar necessário.

Raiva -

Este sentimento vem logo em seguida, após um certo período de tempo em que nos damos conta que de fato, aquela situação é legitima e não há o que fazer, a pessoa enlutada é dominada por um sentimento de raiva e inconformismo.

Persiste o sentimento de que algo poderia ter sido feito para evitar a perda.

É nesta fase do luto que a pessoa pode nutrir o sentimento de culpa, algumas acabam tomando para si a responsabilidade em cima da perda.

Negociação –

Após passar por estes dois ciclos, a pessoa enlutada entra na fase da negociação.

Aqui ela está no meio termo das fases do luto. Neste período é comum que ocorra a consideração, começamos a reconsiderar e encontrar novas formas para seguir com a vida.

Essa negociação é uma coisa muito pessoal e ocorre de dentro para fora, um exemplo: a mãe que perdeu um filho, após passar pelos dois processos, ela começa reconsiderar e ver que tem o esposo ou mais filhos para cuidar e que também devem, estar sofrendo com o luto.

Um filho que perde um pai, nesta fase ele começa enxergar que tem a mãe, uma irmã ou até mesmo seu próprio filho para continuar a vida.

Em grande maioria, a fase da negociação está relacionada a questões religiosas.

Depressão –

Considerada uma das fases mais difíceis do luto.

Importante lembrar que, nem todas as pessoas passam necessariamente por todas as fases, isso varia de pessoa para pessoa.

Não existe um tempo determinado para superação do luto, é uma fase muito pessoal, alguns demoram dias, semanas, meses, anos e a quem relate que o luto dura uma vida.

Nesta fase, é comum que a pessoa passe por um sentimento de culpa e melancolia.

Aceitação -

Período em que a pessoa é convencida que de fato, ocorreu uma perda e não há nada mais que possa ser feito para reverter a situação.

A negação dá lugar a aceitação e a tristeza é substituta por uma saudade, porém, uma saudade mais consciente.

Jamais esqueceremos a perda de alguém amamos, no entanto, é preciso entender e desenvolver formas de seguir a vida sem a presença daquela pessoa.

2) Para de reviver o momento da perda

No início, quando ocorre o óbito de um ente querido, é muito comum reviver os momentos ao lado daquela pessoa, as recordações estão por todos os lugares.

No começo é até aceitável, entretanto, com o passar do tempo, essa prática de relembrar os momentos vividos não é encarada de forma positiva.

Quanto mais alimentamos as recordações, mais difícil se torna o recomeço.

É importante ter momentos de recordações, inclusive, a nostalgia também pode ser positiva, desde que tenha limites.

A partir do momento em que as lembranças passam a dominar a nossa mente, e tomar parte do nosso tempo, deixa de ser algo saudável e atrapalha no processo de superação do luto.

3) Livre-se do sentimento de culpa

É um sentimento muito frequente. Quando ocorre um óbito, o familiar acaba se culpando, muitas acham que poderiam ter feito mais por aquela pessoa, se culpam por não terem dado a devida atenção e em casos extremos, o familiar, acaba se sentindo como responsável pela morte do ente querido.

É necessário que a realidade seja encarada, a pessoa precisa aceitar que, independente do que se fez ou deixou de fazer, o tempo não volta.

Uma forma de amenizar a dor, é dedicar parte do seu tempo a realizar obras sociais.

A psicologia afirma que esse ato pode auxiliar no que se refere a culpa.

Por mais que não dê para voltar ao passado e reconciliar algo com o ente querido falecido, ajudar quem precisa é uma forma de se recompor e dar um passo avante para a superação do luto.

4) Compartilhe o que sente

É comum na fase do luto querer se isolar, isto é considerado normal até certo ponto, entretanto é importante observar quando o isolamento passa a ser algo frequente.

A melhor maneira de superar o luto de um ente querido é dialogar e expor o que sente, o que pensa em relação a perda.

Conversar sempre foi e sempre será um excelente remédio para curar as dores da alma.

Não tenha medo de demonstrar sua tristeza em relação ao óbito, fale do que sente, dos seus medos, arrependimentos.

De acordo com a médica especialista em cuidados paliativos Ana Cláudia Arantes o ato de conversar é libertador e faz com que que a dor do luto seja compartilhada.

5) Dê tempo ao tempo

Esse também pode ser considerado um dos principais passos para a superação da morte de alguém.

Como dito no inicio do artigo, não existe um tempo predeterminado quando o assunto é superar a dor do luto, cada um tem o tempo certo e este tempo deve ser respeitado.

Se tiver que chore, chore, se tiver que ficar triste, fique, permita-se passar por este momento, sem cobranças e sobretudo, sem culpa.

Com o tempo tudo passa, e passamos a encontrar formas para seguir com a nossa vida, e conciliar nossa rotina sem aquela pessoa.

É importante entender que, todos nós passamos por momentos de perda, perdemos a nossa infância, a nossa adolescência, juventude para que possamos ganhar a vida adulta.

As perdas nos marcam, deixam feridas em nossos corações e precisamos aprender como superar essas fases.

 


Artigos Relacionados

Logo Carregamento